novembro 26, 2020
CPTM

Documentos pessoais estão entre os itens mais perdidos por passageiros da CPTM

Documentos pessoais estão entre os itens que os passageiros mais perdem. Foi o que mostrou um relatório da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) que levou em consideração os 7 primeiros meses deste ano.

A Central de Achados e Perdidos da CPTM recebe inúmeros objetos. Todos os itens passam por uma triagem, onde são separados objetos, valores e documentos que possam indicar alguma forma de contato com o proprietário, seja por telefone, carta ou e-mail. Após isso, eles são cadastrados e guardados.

Nos primeiros sete meses desse ano, dos 52.425 objetos recebidos na Central, 36.956 eram documentos de passageiros. A Linha 9-Esmeralda foi a campeã com 9.983 documentos esquecidos. A vice-liderança é ocupada pela Linha 8-Diamante com 7.461 documentos. Na sequência vem as linhas 12-Safira com 6.163 documentos, 11-Coral com 5.169, 10-Turquesa com 3.836, 7-Rubi com 3.669 e a jovem 13-Jade com 675 documentos.


Temos um presente para você!

Quer ter frete grátis em milhares de produtos elegíveis e acesso a filmes, séries, músicas, e-books, jogos e muito mais por apenas R$ 9,90/mês? Experimente grátis por um mês a Amazon Prime. Não perca tempo!


Já as estações onde os passageiros mais perderam documentos, nos primeiros sete meses deste ano, foram: Palmeiras-Barra Funda, Brás, Luz, Guaianases, Osasco, Tatuapé e Santo André.

Os objetos esquecidos no sistema seguem o mesmo ranking dos documentos registrados nas linhas. A diferença está no número, que é bem menor: 15.469 itens. Entretanto, o trabalho é muito mais difícil. A tarefa investigativa envolve cruzamento de informações, por meio de sites e bancos de dados diversos, visando à identificação de um possível contato do proprietário. A equipe que trabalha na Central realiza uma pesquisa minuciosa a partir de indícios nem sempre evidentes.

Coleta de informações e cruzamento de dados

O cruzamento de dados com sites de pesquisa, redes sociais, cadastro de usuário da CPTM e outros sistemas de transporte são algumas das etapas do processo de busca da identificação. Consultas ao Diário Oficial, contato com organizações, instituições e pessoas que podem servir de intermediários também fazem parte desse processo de rastreamento.

Após 60 dias, os objetos que não foram retirados por seus donos são encaminhados para o Fundo Social de Solidariedade de São Paulo (FUSSESP). Os documentos pessoais, como RG, são devolvidos aos órgãos expedidores. Já os cartões bancários são destruídos.

A Central de Achados e Perdidos da CPTM fica na Estação Palmeiras-Barra Funda e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, exceto feriados. O contato também pode ser feito pelo telefone 0800-055-0121. Assim o passageiro pode ligar e registrar a perda. Se os documentos ou objetos forem encontrados, a CPTM contatará o passageiro.

Leia também:

Siga o Rede Noticiando

Quer saber mais notícias sobre o transporte público?

Curta a nossa página no Facebook.

Siga o @RedeNoticiando no Twitter.

Siga o nosso perfil @redenoticiando no Instagram.

Assine o nosso canal Rede Noticiando no YouTube.

Igor Roberto

Sou formado em Enfermagem, analista financeiro e de mídias sociais e aspirante em gestão pública. Sou o criador do Rede Noticiando e co-fundador do Mobilidade Porto Alegre. Mobilidade Urbana e transporte público são os meus temas favoritos. A informação é o meu esporte.
Siga-me:

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.