setembro 20, 2020

O secretário de Transportes Metropolitanos de São Paulo, Alexandre Baldy, preso em operação da Polícia Federal na quinta-feira passada, tinha sob sua responsabilidade um programa ambicioso de obras de mobilidade urbana, principalmente na capital paulista.

A carteira de projetos somava cerca de R$ 30 bilhões, segundo estimativa do próprio secretário, que falou sobre os planos a revista Valor no início deste ano.

Uma das principais obras é a da Linha 6-Laranja do Metrô, que estava paralisada há anos devido à crise do consórcio Move São Paulo (formado por Odebrecht, UTC e Queiroz Galvão). A solução foi a venda do contrato para a empresa espanhola Acciona. O contrato foi assinado em julho, abrindo caminho para a retomada das obras, que deverão receber R$ 11 bilhões de investimentos.

Outro projeto destravado foi a extensão da Linha 2-Verde do Metrô, que estava sob responsabilidade da empreiteira Mendes Júnior e, em dezembro, passou aos chineses da PowerChina. A previsão é que a obra também demande R$ 6 bilhões de investimento.

A secretaria também vinha tentando destravar as obras do monotrilho da Linha 17-Ouro, que ligariam o Morumbi ao aeroporto de Congonhas. A licitação para a construtora foi concluída, com a escolha da Constran.

Porém, a compra dos trens utilizados no sistema é alvo de uma disputa judicial. A licitação, conduzida pelo Metrô, havia selecionado a chinesa BYD. No entanto, o consórcio concorrente, liderado pelos sócios da Viação Itapemirim, conseguiram uma liminar para travar o projeto.

O grupo havia oferecido o menor preço na concorrência, mas acabou desclassificado por não atender a requisitos mínimos de patrimônio líquido exigidos pelo edital. A queixa do consórcio foi negada na primeira instância, mas, em junho, o Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu uma liminar paralisando o contrato, que é de R$ 1 bilhão.

Outra licitação do Metrô que está paralisada pela Justiça é a concessão da Linha 15-Prata, realizada em março de 2019 e vencida por um consórcio formado por CCR (80%) e grupo Ruas (20%). Após uma ação popular movida por metroviários, a concorrência foi declarada nula por um juiz de primeira instância, em novembro do ano passado.

Além da retomada de projetos paralisados, Baldy vinha conduzindo processos de licitação para novos contratos.

A mais avançada delas era a das Linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda da CPTM, cujo edital estava próximo do lançamento. Há ainda os projetos do Trem Intercidades (TIC) e da Linha 7-Rubi, que ainda estavam em modelagem.

Paulo Galli assume temporariamente a STM do governo Doria

Na última sexta-feira, 7 de agosto, o governador João Doria escolheu o secretário executivo da Secretaria de Transportes, Paulo Galli, para ocupar temporariamente a pasta. 

Transporte sobre trilhos

Confira a situação das linhas metro ferroviárias em São Paulo na aba “Metrô Agora” e “CPTM Agora” do Rede Noticiando e já saia de casa sabendo se tem alguma alteração ou falha.

Caso você seja usuário do Telegram e queira receber nosso conteúdo em primeira mão, se inscreva no nosso canal, o Rede Noticiando.

E se você for estudante da capital e utiliza o Bilhete Único Estudantil e ainda não renovou, tem dúvidas? Não perca tempo! Confira nossa matéria sobre como renovar seu benefício e tire todas as suas dúvidas.

Siga o Rede Noticiando

Quer saber mais notícias sobre o transporte público?

Curta a nossa página no Facebook.

Siga o @RedeNoticiando no Twitter.

Siga o nosso perfil @redenoticiando no Instagram

Igor Roberto

Sou formado em Enfermagem, analista financeiro e de mídias sociais e aspirante em gestão pública. Sou o criador do Rede Noticiando e co-fundador do Mobilidade Porto Alegre. Mobilidade Urbana e transporte público são os meus temas favoritos. A informação é o meu esporte.
Siga-me:

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.