Nesta quarta-feira, 30 de janeiro, a Prefeitura de São Paulo publicou uma portaria que autoriza o cancelamento de cartões do Bilhete Único em caso de fraude e impõe novos limites de recarga.

A medida passa a valer já a partir da próxima sexta-feira, 1° de fevereiro, e tem como objetivo restringir o acesso de fraudadores do cartão e a comercialização irregular de créditos e cartões, pratica criminosa que onera o sistema de transporte.

Para evitar novas fraudes serão impostos limites de crédito para a recarga de alguns tipos de cartões. A medida será válida para os Bilhetes Únicos comuns, que não são personalizados, ou seja, que não possui dados pessoais, para o vale-transporte e cartão de estudante emitidos até 2013.

Esses bilhetes serão recarregados com no máximo dez tarifas, isto é, R$ 43,00. Antes, o valor da recarga máxima era de R$ 350,00.

Quem tiver saldo acima de R$ 43,00 em um desses três modelos de bilhete terá quatro meses para utilizar esses créditos. Após esse período, os cartões com carga acima deste valor não serão mais aceitos em todo o sistema. Para recuperar o saldo restante em caso de não utilização, o passageiro deverá solicitar um novo cartão.

“Hoje o fraudador tem um limite de até R$ 350 para o cartão. Então se ele paga no mercado negro um cartão vazio por R$ 15 e ele completa com carga de até R$ 350, ele tem uma margem boa para negociar a venda desse cartão, para ter um lucro razoável. A partir do momento que você limita em R$ 43 não sobra margem de manobra para ele ter grandes lucros e também não sobra margem para quem tem um cartão desse grande economia”, disse o secretário municipal de Transportes, Edson Caram.

Os passageiros que possuem cartão personalizado ou que foram emitidos após 2013 não enfrentarão problemas para recarregar o valor máximo R$ 350.

De acordo com o secretário municipal de Transportes, o objetivo da Prefeitura de São Paulo agora é criar um sistema invulnerável para bloquear cartões com créditos fraudados assim que forem usados pela primeira vez.

Segundo o secretário, o passageiro que tiver o cartão bloqueado por fraude deve comparecer ao posto da SPTrans, se identificar e autorizar que o cartão seja enviado para a perícia para descobrir se trata-se de um bilhete clonado ou legal.

“Se for um cartão legal, você vai receber seu dinheiro de volta e vai passar para um cartão novo e acabou. Se for um cartão fraudado, o bilhete é apreendido, você não terá reembolso do dinheiro e cartão será incinerado”, justificou.

Leia também

– Aprenda como consultar online o status do seu Bilhete Único no site da SPTrans

– Colisão no monotrilho danifica dois trens na estação Jardim Planalto da Linha 15-Prata

Siga o Rede Noticiando

Quer saber mais notícias sobre o transporte público?

Curta a nossa página no Facebook.

Siga o @RedeNoticiando no Twitter.

Siga o nosso perfil @redenoticiando no Instagram.

Assine o nosso canal Rede Noticiando no YouTube.

Igor Roberto

Sou profissional e estudante de enfermagem, analista financeiro e de mídias sociais. Sou o criador do Rede Noticiando e co-fundador do Mobilidade Porto Alegre. Mobilidade Urbana e transporte público são os meus temas favoritos. A informação é o meu esporte.
Siga-me:

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.