De acordo com a São Paulo Transportes (SPTrans), foram incorporados à frota municipal até o mês de julho, cerca de 2.028 novos coletivos, sendo que destes, 844 veículos foram somente em 2018, enquanto durante todo o ano passado foram incluídos 1.184 veículos.

Todos os novos ônibus possuem ar-condicionado, acessibilidade, tecnologia embarcado como wi-fi e tomadas USB e motor menos poluentes. Os veículos foram cadastrados pela SPTrans e já estão rodando em todas as regiões da cidade.

Além do ganho na qualidade da viagem e no conforto dos passageiros, os ônibus novos trazem benefícios à saúde de toda a população paulistana, já que eles são equipados com motores Euro V, que emitem menos poluentes do que os antigos Euro III utilizados nos veículos que estão sendo substituídos. Esta tecnologia contribui para melhoria da qualidade do ar e assegura maior eficiência energética ao veículo.

Segundo o secretário municipal de Mobilidade e Transportes, João Octaviano Machado Neto, “a SPTrans trabalha para melhorar a mobilidade na cidade de São Paulo e oferecer mais conforto nas viagens da população com a modernização da frota de ônibus”.

Com as inclusões, o sistema de ônibus chegou a 93,18% de acessibilidade, 3.303 veículos com ar-condicionado, 3.245 veículos com tomadas USB e 1.099 veículos com wi-fi.

O presidente da SPTrans, Paulo Cézar Shingai, afirma que “a inclusão dos ônibus novos proporciona um serviço de transporte com qualidade, eficiência e segurança aos passageiros do sistema”.

Confira abaixo, imagens do Luciano Ferreira de algumas frotas que estavam sendo expostas na sede da Prefeitura de São Paulo ao longo desta sexta-feira, 20 de julho:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Subsidíos

Os subsídios ao sistema de transporte coletivo da capital paulista, neste ano de 2018, devem totalizar novamente cerca de R$ 3 bilhões, de acordo com estimativa da Prefeitura de São Paulo.

O valor é bem semelhante ao ano de 2017, quando a Prefeitura de São Paulo teve de fazer remanejamentos de recursos de outras áreas para cobrir o déficit do sistema de transportes.

Licitação

João Octaviano disse que o andamento da licitação depende agora da análise do Tribunal de Contas do Município (TCM) e das respostas aos questionamentos enviados pela Corte de Contas, que apontou 90 problemas nos três editais de licitação. Foram 51 irregularidades, 20 improbidades e 19 pontos que precisam de melhoria ou esclarecimento.

O secretário confirmou que atenderá a solicitação das respostas do Tribunal de Contas do Município até 30 de julho, prazo estipulado pelo conselheiro Edson Simões após ter prorrogado o prazo, a pedido da Prefeitura de São Paulo.

Igor Roberto

Profissional e estudante de enfermagem, pesquisador, analista financeiro e de mídias sociais. A informação é o meu esporte!
Siga-me:

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.