Na segunda-feira, 25 de fevereiro, o CEO do consórcio Vem ABC, Maciel Paiva, e sua equipe, recebeu na sede da empresa, portais especializados em transporte, dos quais o Rede Noticiando participou.

Na terceira e última matéria, de uma série de reportagens que trouxemos sobre o encontro, falaremos sobre a possível troca de modais e desapropriações, galerias de águas pluviais, empreendimentos ligados ao ramal e o apetite italiano em investir na Linha 18-Bronze.

Maciel Paiva, CEO do consórcio Vem ABC, comentou a respeito de declarações de área de utilidade pública para desapropriação que tiveram o prazo vencido em novembro do ano passado. O consórcio defende que a caducidade terá poucos impactos na etapa inicial da obra. Isso porque, de acordo com Paiva, 91% do traçado da linha e 69% das estações estão em áreas públicas já liberadas.

“Dá para perfeitamente iniciar as obras sem nenhum impedimento, enquanto novos decretos são assinados e equacionados. Grande parte do traçado está à beira do [córrego] Ribeirão dos Meninos, sem a necessidade até mesmo de desapropriações”, disse.

As dificuldades para financiamentos e desapropriações fizeram com que o Governo do Estado considerasse outras possibilidades de modais para a ligação prevista para a Linha 18, a exemplo de um BRT (Bus Rapid Transit), corredor de ônibus de trânsito rápido e maior capacidade que os ônibus comuns.

Entretanto, de acordo com Maciel, a troca de modal não é tão simples assim. Todas as questões que, segundo ele, foram adiantadas pelo consórcio Vem ABC terão de ser feitas do zero para o novo meio de transporte, como a Manifestação de Interesse Público e o procedimento para o licenciamento ambiental, que poderiam demorar ao todo aproximadamente dois anos.

Além disso, o consórcio VemABC diz que para o BRT, por causa da largura das pistas dos ônibus, seriam necessárias mais desapropriações e o modal não teria a mesma capacidade do monotrilho.

O executivo disse que o monotrilho terá velocidade média comercial de 35 km/h, com capacidade para 25 mil passageiros hora/sentido no horário de pico, em média.

O consórcio projeta crescimento de demanda e de trens ao longo do contrato.

Galerias de águas pluviais na Faria Lima

Uma outra discussão em torno do projeto de monotrilho da Linha 18-Bronze foi o obstáculo gerado por galerias de águas pluviais sob a avenida Brigadeiro Faria Lima, na região central de São Bernardo do Campo, cujo trecho já é atendido pelo Corredor Metropolitano ABD de ônibus e trólebus.

Os pilares do elevado do projeto por onde devem circular os trens do monotrilho conicidiam com estas galerias, entretanto, segundo o gerente de implantação de obras civis do consórcio Vem ABC, Fábio Zahr, o problema já foi resolvido.

“Foi uma solução de engenharia. O que ocorreu foi que um eixo do monotrilho na avenida foi deslocado para uma área onde não afetaria a galeria. A solução foi negociada e aprovada junto à Prefeitura, portanto, essa questão não é nenhum impedimento mais”, disse.

Em 2014, o monotrilho da linha 18-Bronze tinha uma previsão de consumir R$ 4,69 bilhões (R$ 4.699.274.000,00) para ficar pronto. O valor, de acordo com a atualização do orçamento pelo Governo do Estado, pulou para R$ 5,74 bilhões (R$ 5.741.542.942,61), elevação de 22,18%.

Entretanto, o presidente do consórcio Vem ABC disse que não está previsto nenhum gasto maior que o que consta no contrato.

O que ocorre, segundo ele, é uma atualização com base em uma cesta de índices de correção, que levam em consideração a inflação, e índices oficiais sobre obras públicas.

“Posso considerar que não tem como o monotrilho do ABC não sair. É um projeto que cabe dentro de um mandato e, até mesmo politicamente, é interessante, já que a população tem aguardado há muito tempo um sistema como este para o ABC. Acreditamos que um BRT não teria aprovação popular. O projeto do monotrilho da Linha 18 é o que está mais maduro entre os outros projetos de mobilidade do Governo do Estado”, disse Maciel Paiva.

Empreendimentos junto às estações

“A exploração comercial é permitida e é parte da renda que a gente vai ter. A gente tem três rendas neste contrato, a contraprestação pecuniária, a renda da tarifa e da exploração comercial” – disse Maciel.

Fabio Zahr, gerente de implantação de obras civis do Consórcio Vem ABC, citou algumas possibilidade de investimentos comerciais.

“As áreas remanescentes para reintegração, por exemplo, podem abrigar estabelecimentos. Também para as estações podemos erguer prédios, de quatro andares, por exemplo, mas dentro da legislação. Podemos locar os andares que não serão usadas para a operação do monotrilho” – explicou.

Maciel Paiva ainda disse que a estação Tamanduateí poderá, no futuro, se tornar um “HUB” (para conexão) de modais de transportes metropolitanos.

Além das atuais linhas 2-Verde (metrô), 10-Turquesa (CPTM) e dos ônibus municipais de São Paulo e metropolitanos (em especial vindos do ABC), o local deve receber a linha 18-Bronze (monotrilho).

A linha 20-Rosa de Metrô, ainda sem previsão para sair do papel, também deve fazer conexão com o monotrilho da linha 18-Bronze. Inicialmente, a linha 20 foi pensada para ligar Moema (capital paulista) a Rudge Ramos (São Bernardo do Campo).

Italianos com ”apetite” na Linha 18-Bronze

O consórcio Vem ABC possui atualmente a seguinte estrutura acionária: 55% Primav Construções e Comércio S/A (sendo que o grupo italiano Gavio tem 69% e o Grupo CCR responde por 31%), 22% da Construtora Cowan S.A., 22% do Grupo Encalso Damha e 1% do Grupo Roggio, argentino.

Entretanto, segundo Maciel Paiva, presidente do consórcio Vem ABC, a estrutura acionária deve mudar, com a Primav comparando toda a parte da Cowan, que deve sair do monotrilho, e com a possibilidade também de comprar parte da parcela do Encalso.

“Os italianos estão com muito apetite e enxergam oportunidades no setor de mobilidade urbana no Brasil, que é vista com bons olhos por eles. Há poucos ‘players’ neste mercado e a linha 18 é o caminho inicial de mais investimentos que são de interesse do grupo” – concluiu Paiva.

Agradecimentos

O portal Rede Noticiando agradece a recepção por parte da equipe da Vem ABC, principalmente do CEO, Maciel Paiva e do Fabio Zahr, gerente de implantação de obras civis do consórcio.

O projeto têm tudo para dar certo, basta sair do papel. Será benéfico para os moradores do ABC e será uma importante linha de monotrilho para o estado de São Paulo.

O encontro proporcionou uma extensa explicação sobre o projeto, os seus desafios e o que falta para que saia do papel. Aos interessados, disponibilizo abaixo as duas primeiras matérias sobre o encontro:

Siga o Rede Noticiando

Quer saber mais notícias sobre o transporte público?

Curta a nossa página no Facebook.

Siga o @RedeNoticiando no Twitter.

Siga o nosso perfil @redenoticiando no Instagram.

Assine o nosso canal Rede Noticiando no YouTube.

Igor Roberto

Sou profissional e estudante de enfermagem, analista financeiro e de mídias sociais. Sou o criador do Rede Noticiando e co-fundador do Mobilidade Porto Alegre. Mobilidade Urbana e transporte público são os meus temas favoritos. A informação é o meu esporte.
Siga-me:

Posts relacionados

  1. A região em que irá trafegar o monotrilho ou qualquer outro na Linha 18-Bronze é paralela quase que totalmente ao Córrego dos Meninos, portanto sujeita a inundações constantes como em Março de 2018, portanto é fundamental que o sistema seja elevado, ou se corre o risco de se construir um sistema obsoleto já na sua criação.

    Um exemplo disto é o que ocorre no atual corredor ABD dos trólebus do BRT que é interrompido quando ocorre enchentes, recentemente o prefeito de São Bernardo indicou que a construção de piscinão com finalização em para Agosto deste ano de 2019, porém não funcionou!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.