agosto 10, 2022

A cibersegurança está em destaque no mercado. Isso porque utilizamos a tecnologia a todo o momento, armazenamos os dados na nuvem e estamos cada vez mais conectados.

Neste cenário, a preocupação primordial das empresas é proteger seus negócios e suas operações de ataques cibernéticos. Nesse sentido, os profissionais da defesa cibernética são cada vez mais importantes para o mercado.

Por exigir conhecimento amplo dos sistemas, o salário de um profissional de cibersegurança é até 20% maior do que os demais profissionais de TI, o que torna a profissão ainda mais atrativa.

Confira os conhecimentos técnicos (ou hard skills) que as empresas procuram em seus profissionais de cibersegurança.

Principais hard skills da cibersegurança

O Fórum Econômico Mundial considera a cibersegurança uma área de risco emergente. Ou seja, além da alta demanda, o mercado precisa de profissionais preparados para enfrentar as constantes ameaças online.

Preparar-se para interceptar um ataque cibernético exige conhecer a infraestrutura do sistema e suas funções. Além disso, é necessário entender quais as possíveis origens de um ataque e como ele afeta o sistema.

A rotina de um profissional de cibersegurança envolve basicamente:

  • A análise de dados e sistemas;
  • O uso das ferramentas de defesa cibernética;
  • Criar, manter e controlar acessos e contas;
  • Encontrar problemas nas redes de computadores etc.

Assim, confira quais hard skills formam o perfil de um considerado adequado. Estas skills o capacitarão para identificar e mitigar um ataque cibernético, seguindo a rotina acima.

Administração de sistemas e redes

O software de computador e outros aplicativos são ferramentas integrais para as empresas. Por isso, é aconselhável consumir o máximo possível de conhecimento sobre estes sistemas.

Ao aprender a executar, configurar e manter bancos de dados, redes e servidores web, o profissional estará melhor preparado para implantar procedimentos de segurança para teste de vulnerabilidades.

Sistemas operacionais

Sistemas operacionais são o princípio da cibersegurança. Os mais utilizados são sistemas de desktop (Windows, Linux, MacOS etc) e mobile (Android, iOS etc).

Um profissional de cibersegurança deve estar familiarizado com os principais sistemas operacionais, tanto de desktop quanto de mobile. Assim, estará habilitado a manusear qualquer sistema que a organização utilizar ou em que o ataque acontecer.

Programação

Compreender as principais linguagens de programação, como HTML, SQL, PHP e Javascript, fornecerá um entendimento amplo sobre o funcionamento do sistema.

Isso porque muitos ciberataques são realizados com códigos que burlam os sistemas. Especializar-se com esse conhecimento permitirá encontrar vulnerabilidades e mitigar ataques.

Segurança na nuvem

Atualmente, todos os dados de uma empresa ficam armazenados na nuvem. Portanto, a segurança na nuvem se tornou extremamente importante para o mercado da segurança da informação.

Saber usar os principais controles de segurança na nuvem capacita o profissional a identificar e mitigar riscos potenciais à segurança. Um profissional de cibersegurança habilidoso, saberá utilizar estes controles para criar uma defesa robusta contra ataques cibernéticos.

Inteligência artificial

À medida que os ataques cibernéticos aumentaram em volume e complexidade, a inteligência artificial ajuda os analistas de operações de segurança a ficarem à frente das ameaças. 

A IA é capaz de analisar rapidamente milhões de eventos e identificar diferentes ameaças, desde malwares que exploram vulnerabilidades até comportamentos de risco que podem levar a um ataque phishing ou ao download de um código malicioso, por exemplo.

Essas tecnologias se aperfeiçoam com o tempo, utilizando experiências do passado para identificar novos tipos de ataques.

Dessa forma, ter conhecimentos sobre inteligência artificial tornou-se uma vantagem crítica no mercado da cibersegurança. 

Como desenvolver as hard skills da cibersegurança

Agora que já vimos as principais hard skills para trabalhar com a cibersegurança, veremos as melhores formas de desenvolver estas habilidades.

A defesa cibernética exige muito conhecimento técnico. Portanto, o profissional que deseja entrar neste mercado deve estudar e se preparar para suprir as necessidades do mercado.

Nesse sentido, a graduação (tecnólogo ou bacharelado) fornece a base em conhecimento técnico de sistemas para exercer cibersegurança, tal como:

  • elaboração e análise de protocolos
  • prevenção e interceptação de ataques hackers
  • manuseio de software

Assim, a graduação contém todas as informações técnicas que o profissional necessita para estar familiarizado com os recursos e cultivar habilidades que o destacaram como profissional.

Há também, cursos de capacitação que oferecem aulas em ambiente simulado. Estes cursos seguem o princípio de que a vivência ensina mais e gera confiança.

Assim, o profissional se sente menos ansioso ao exercer a função nos primeiros meses de contratação. Isso porque os cursos de capacitação costumam dar ao profissional uma vivência prática antes mesmo de começar a atuar na área.

Em conclusão, o profissional deve se atentar para que, tanto para a graduação quanto para o curso especializante, busque certificações renomadas. Elas abrirão mais portas de oportunidade e o transformarão em um profissional mais confiante.

REDE NOTICIANDO

Siga nossas redes sociais e fique bem informado!

Receba em primeira mão nosso conteúdo através do nosso canal no Telegram.

Rede Noticiando — A serviço da informação!

Redação Noticiando

Equipe responsável pela produção de conteúdo do site Rede Noticiando.
Follow Me:

Posts relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.