agosto 10, 2022

Sem acordo, a greve de ônibus na cidade de São Paulo está confirmada para começar à meia-noite desta quarta-feira, dia 29 de junho de 2022.

A decisão foi tomada na tarde desta terça-feira, dia 28, após assembleia na sede do Sindmotoristas, entidade que representa os motoristas, cobradores e demais colaboradores do transporte coletivo na capital.

Já se passaram dois meses das nossas negociações e os patrões mostraram-se intransigentes, pedindo prazos, paciência e protelando decisões. A categoria está estafada dessa enrolação”, afirmou o presidente em exercício do sindicato, Valmir Santana da Paz (Sorriso).

Segundo o sindicato, a greve será retomada em razão da hora de almoço remunerada (hoje as empresas não pagam pelo período) e o pagamento da PLR (Participação nos Lucros e Resultados).

Foto: Divulgação

No dia 14 de junho, os trabalhadores cruzaram os braços e mais de 1,5 milhão de passageiros foram afetados. A greve neste dia foi suspensa, após uma reunião entre o vereador Milton Leite, a pedido do Prefeito Ricardo Nunes, e representantes do sindicato patronal e dos trabalhadores.

Neste dia ficou acordado o reajuste retroativo ao mês de maio de 12,47% no salário, e as demais cláusulas seriam avaliadas, o que acabou não ocorrendo, e mais uma vez o passageiro será o mais prejudicado.

O SPUrbanuss, sindicato das empresas, diz que lamenta a decisão e espera que seja cumprida frota mínima de 80% nos horários de pico. Veja nota completa:

“O SPUrbanuss – Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo lamenta mais essa paralisação dos motoristas e cobradores de ônibus, com terríveis consequências para a mobilidade da população.

A entidade espera que os profissionais do setor de transporte coletivo não penalizem os passageiros, cumprindo a determinação da Justiça, adotada na paralisação de 14 de junho, de colocar em operação 80% da frota nos horários de pico“.

Rodízio de veículos

O rodízio de veículos será suspenso nesta quarta, dia 29, desta forma, carros com placas finais 5 e 6 poderão circular pelo centro expandido a qualquer horário.

As faixas exclusivas e corredores de ônibus ficarão liberados para circulação de carros de passeio enquanto durar a greve. A Engenharia de Tráfego da CET manterá o monitoramento constante em ruas e avenidas da cidade, visando manter as condições de fluidez das vias.

Segundo a prefeitura, continuarão valendo normalmente o rodízio de placas para veículos pesados (caminhões) e as demais restrições: Zona de Máxima Restrição à Circulação de Caminhões (ZMRC) e a Zona de Máxima Restrição ao Fretamento (ZMRF). A Zona Azul também funcionará normalmente.

Metrô, CPTM, ViaQuatro e ViaMobilidade

A operação será normal em todas as linhas operadas pelo Metrô de São Paulo, pela CPTM e também pelas concessionárias que operam as linhas 4-Amarela, 5-Lilás de metrô e 8-Diamante e 9-Esmeralda dos trens metropolitanos.

Metrô, CPTM, ViaQuatro e ViaMobilidade estarão com trens reservas em condições operacionais em todas as linhas para o atendimento à demanda.

EMTU

Todas as linhas gerenciadas pela EMTU irão funcionar normalmente e, caso seja solicitado, os ônibus poderão servir linhas da SPTrans em caso do acionamento do PAESE.

REDE NOTICIANDO

Siga nossas redes sociais e fique bem informado!

Receba em primeira mão nosso conteúdo através do nosso canal no Telegram.

Rede Noticiando — A serviço da informação!

Anderson Dantas

Potiguar, prestativo e empreendedor. É formado em turismo e trabalha com marketing digital. É administrador das páginas do Rede Noticiando desde 2015. Quer entrar em contato com o Anderson? Escreva para contato@noticiando.net
Follow Me:

Posts relacionados

  1. Robinson Tadeu dos Santos says:

    Eu só acho que mais uma vez a prefeitura de São Paulo com sua prepotência colocou a sua vontade dinovo sobre tudo e fez com que a imprensa coloque a população contra os motoristas e cobradores alegando que prejudica mais não se frita um ovo sem quebrar a casca lembrem-se que esse ano é letivo pense bem em quem iremos colocar no poder por mais 4 anos pra não fazer nada pelo estado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.