junho 3, 2020

A Prefeitura de São Paulo rescindiu o contrato com a empresa que faria a troca de sistema do Bilhete Único por atraso na entrega do produto. O novo software iria auxiliar no combate às fraudes do cartão do transporte municipal.

Até a desistência, a prefeitura já havia gasto R$ 21 milhões pelo programa. Segundo o secretário de Mobilidade e Transportes, Edson Caram, foi requisitado o ressarcimento do dinheiro.

A reformulação do sistema faz parte de um plano de ação da gestão Bruno Covas para coibir o uso indevido de cartões. Um levantamento de 2018 do TCM (Tribunal de Contas do Município) apontou que 60% dos bilhetes identificados em casos de fraude eram de modelos mais antigos.

Por isso, no ano passado, cartões sem personalização tiveram que ser substituídos por novos bilhetes, com devido cadastro – dessa forma, cartões anônimos de antes de 2014 não podem ter carga maior do que R$ 43.

O que diz o outro lado?

O consórcio acusado pela prefeitura de não cumprir o contrato é formado pelas empresas Tivit e PC Service. A primeira, em nota, disse que está em conformidade com sua parte do contrato, de prestar serviços de infraestrutura no centro de dados do Bilhete Único.

Ao portal G1, a PC Service afirmou que já entregou um sistema de reconhecimento facial à prefeitura.

SPTrans

Para ficar por dentro das últimas notícias da SPTrans como alterações de linhas de ônibus, entre outras notícias, clique aqui.

Siga o Rede Noticiando

Quer saber mais notícias sobre o transporte público?

Curta a nossa página no Facebook.

Siga o @RedeNoticiando no Twitter.

Siga o nosso perfil @redenoticiando no Instagram

Igor Roberto

Sou formado em Enfermagem, analista financeiro e de mídias sociais e aspirante em gestão pública. Sou o criador do Rede Noticiando e co-fundador do Mobilidade Porto Alegre. Mobilidade Urbana e transporte público são os meus temas favoritos. A informação é o meu esporte.
Siga-me:

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.