outubro 4, 2022

O vício é um assunto muito complicado e é algo que cientistas e psicólogos ainda estão tentando entender. O que se pode dizer é o seguinte: o vício não discrimina – pode afetar pessoas de todas as idades, níveis de inteligência e origens. 

Os sinais, sintomas e causas do vício podem variar de pessoa para pessoa, mas ainda assim, o vício pode ter um efeito prejudicial na subsistência de qualquer pessoa e muitas vezes é difícil gerenciar sem tratamentos profissionais de dependência. 

Apesar da dificuldade em atribuir exatamente o que torna algumas pessoas mais propensas ao vício do que outras, inúmeros estudos descobriram que uma combinação de fatores pode desempenhar um papel. 

Ambiente, genética, antecedentes familiares, traços de personalidade e até mesmo estresse podem tornar alguém mais propenso a experimentar drogas ou álcool em primeiro lugar. 

Experimentar diferentes substâncias não leva automaticamente ao vício; no entanto, quando diferentes fatores contribuem para o consumo de drogas e álcool, os vícios podem se desenvolver. 

Doença mental

Aqueles que vivem com condições de saúde mental como transtorno bipolar ou depressão são mais propensos a participar do abuso de substâncias, o que os coloca em maior risco de desenvolver um vício. 

Isso geralmente ocorre por causa de diferentes reações químicas no cérebro em comparação com aqueles que não vivem com condições de saúde mental. 

Tem sido sugerido que muitas pessoas que sofrem de problemas de saúde mental tentam se automedicar com drogas e/ou álcool em um esforço para anestesiar os sintomas associados a suas condições. 

No entanto, isso pode levar a um ciclo vicioso contínuo, porque as drogas e o álcool podem exacerbar os sintomas e deixar as pessoas mais ansiosas, deprimidas, desmotivadas ou irritadas.

Pessoas com QI mais alto

Há um equívoco comum de que o vício é mais provável de afetar aqueles que são menos instruídos e que vêm de uma origem mais pobre, mas muitos viciados são bem pagos e têm carreiras de sucesso. 

Muitos profissionais, de banqueiros e médicos a advogados e CEOs, foram vítimas de abuso de substâncias e acredita-se que o estresse, o isolamento e os relacionamentos fracassados ​​que são frequentemente associados a essas ocupações podem desempenhar um papel significativo nisso.

Alguns estudos também acreditam que crianças com QI mais alto são mais propensas a usar drogas como a ayahuasca, maconha, heroína e cocaína em seus últimos anos. Uma teoria para isso é que pessoas mais inteligentes podem intelectualizar seu uso de drogas – o que é diferente de racionalização e negação. 

No entanto, sem prova definitiva de causalidade, esta é uma teoria que permanece baseada em conjecturas.

Sensibilidade aos efeitos

Pesquisas sugerem que pessoas mais sensíveis a estimulantes e aos efeitos do álcool e das drogas correm maior risco de desenvolver um vício.

Um estudo realizado em 2012 também descobriu que aqueles com ‘emotividade negativa’ têm taxas mais altas de abuso de drogas. Este é um traço de personalidade que determina com que frequência ou intensidade as pessoas experimentam emoções sombrias, como raiva, estresse ou tristeza.

Comorbidade refere-se à condição em que um indivíduo é diagnosticado com mais de um tipo de condição médica ou distúrbio psicológico

Também está implícito que essas doenças interagem umas com as outras e afetam umas às outras. 

Um desses pares de transtornos é o de um transtorno de saúde mental específico (um transtorno psicológico ou psiquiátrico) e um diagnóstico comórbido de um transtorno por uso de substâncias (uso indevido ou dependência de substâncias). 

REDE NOTICIANDO

Siga as redes sociais do Rede Noticiando e assine nosso canal no Telegram!

A serviço da Informação!

Redação Noticiando

Equipe responsável pela produção de conteúdo do site Rede Noticiando.
Follow Me:

Posts relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.