O Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo (SETC-ABC) entrou com uma ação na justiça para garantir a circulação dos ônibus municipais e intermunicipais nas sete cidades da região nesta sexta-feira, 14 de junho, data que está marcado o Dia Nacional das Paralisações contra a Reforma da Previdência proposta pelo Governo Jair Bolsonaro.

A entidade informou que o objetivo da ação no Tribunal do Regional do Trabalho de São Paulo é garantir os “direitos das empresas operadoras de transporte coletivo por ônibus da região do ABC” e “em preservação do direito do cidadão”.

Confira na íntegra o comunicado abaixo:

”O SINDICATO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE COLETIVO DO ABC – SETC ABC, entidade representativa das empresas de transporte coletivo de passageiros por ônibus na Região do ABC (São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Santo André, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra), COMUNICA à população e usuários em geral, assim como com todo o segmento empresarial de nossa Região do ABC, com a GRAVE NOTÍCIA DE GREVE GERAL NOS TRANSPORTES, para amanhã, sexta-feira, dia 14, em acontecendo, afetará o direito constitucional de todos os cidadãos de ir e vir para concretização de suas atividades, porque, a inconsequente e irresponsável GREVE GERAL nos TRANSPORTES a todos prejudicará, principalmente a população ordeira e trabalhadora, dentre eles diversas atividades serão afetadas como hospitais, indústrias, comércio, serviços essenciais, etc.

Como garantia dos direitos das empresas operadoras de transporte coletivo por ônibus da região do ABC, e em preservação do direito do cidadão, estamos ingressando com ação judicial para prevalecer o transporte coletivo a toda população.

Estamos solidários, independentemente de qualquer notícia, as EMPRESAS DE TRANSPORTE COLETIVO de nossa região do ABC, colocarão em atividade e CIRCULAÇÃO TODA A FROTA EM OPERAÇÃO, para isso contaremos com os laboriosos trabalhadores de nossas empresas, sempre atentos e para bem atender esta pujante população do ABC, bem como, contaremos com o apoio e retaguarda das forças policiais e da segurança pública de nossa região como garantia para regularidade do transporte coletivo por ônibus, enfatizando que em hipótese alguma esta entidade e empresas transportadoras se acomodarão ou deixarão de cumprir o direito de transportar os nossos honrados cidadãos da região do ABC, rogando mais uma vez a todos, que contem com as empresas de transporte coletivo, sempre presentes na vida dos cidadãos há mais de 120 anos.

Outras ações

O sindicato ao Sintetra , sindicato dos trabalhadores, para que haja operações habituais e para que não sejam feitos bloqueios em garagens, vias e terminais.

O Sintetra informou que como entidade trabalhista, apoia a paralisação na sexta-feira, mas que não deve realizar piquetes nas garagens de ônibus na região.

Transporte sobre ônibus

Os sindicatos informaram nesta segunda-feira, 10 de junho, que deve haver paralisação dos ônibus em Guarulhos, Arujá, Baixada Santista, Mogi das Cruzes e Região.

SPTrans

A diretoria do Sindmotoristas, que representam os trabalhadores dos ônibus da cidade de São Paulo, irão se reunir em plenária na tarde desta quinta-feira, dia 13, e dar um veredcito sobre como será sua participação no Dia Nacional de Paralisações.

Na segunda-feira, 10 de junho, a categoria tinham dito que irão aderir ao movimento.

Metrô e CPTM

Os sindicatos que representam as linhas 7-Rubi, 10-Turquesa, 11-Coral, 12- Safira e 13-Jade informaram que irão aderir a paralisação.

Já o Sindicato dos Trabalhadores das Empresas Ferroviárias da Zona Sorocabana, que representa os trabalhadores das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda, informou que não irá se envolver nesta questão, porém ressaltou que os funcionários que desejarem aderir ao movimento não serão impedidos pela entidade.

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo foi outro que também confirmou adesão ao movimento e nesta quinta-feira, dia 13, irão se reunir para discutir como será a paralisação nas linhas do Metrô de São Paulo.

Caso a paralisação seja concretizada, as linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata devem ser afetadas.

Linha 4-Amarela e 5-Lilás

Wagner Fajardo, diretor do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, disse que a categoria deve parar na sexta-feira, dia 14. Segundo ele, o sindicato articula também uma paralisação dos serviços das linhas 4-Amarela e 5-Lilás, que são operadas pela iniciativa privada. Fajardo informou que a justiça reconheceu na semana passada a representatividade do sindicato sobre estes trabalhadores.

“A decisão da greve já está tomada, estamos fazendo as reuniões setoriais e não existe nenhum clima na categoria de não querer realizar a greve, pelo contrário”, afirmou Fajardo. “Na semana passada, o TST confirmou nossa representação das linhas 4 e 5 e nós estamos discutindo com os trabalhadores a greve, que portanto é de todos os metroviários”, concluiu.

Siga o Rede Noticiando

Quer saber mais notícias sobre o transporte público?

Curta a nossa página no Facebook.

Siga o @RedeNoticiando no Twitter.

Siga o nosso perfil @redenoticiando no Instagram.

Assine o nosso canal Rede Noticiando no YouTube.

Redação Noticiando

Equipe responsável pela produção de conteúdo do site Rede Noticiando.
Siga-me:

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.