Já não é de hoje que os passageiros do sistema metroferroviário do Estado de São Paulo enfrentam atrasos em obras de mobilidade sobre trilhos e falta de planejamento e engajamento por parte dos órgãos competentes, sejam eles públicos ou privados.

Recentemente tivemos a entrega da tão esperada Linha 13-Jade que liga a capital paulista à região do Aeroporto de Guarulhos na região metropolitana, após de mais de 50 anos sem que um trem cortasse a paisagem da cidade.

Mas o mais intrigante é justamente a falta de planejamento, o domínio ou até mesmo “camaradagem de compadres” sobre o estado de empresas privadas que pintam e bordam nas costas dos interesses públicos.

Onde o governo acata tudo para poder se sair bem perante as empresas, que no fundo os próprios governantes têm interesses nesses bordões para tirarem sua margem de lucro pessoal esquecendo de honrar o verdadeiro compromisso com a sociedade firmado em suas assinaturas em caderno de posse.

Antes vendido pelo marketing da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) que a Linha 13-Jade (Engenheiro Goulart – Guarulhos-Aeroporto) que a linha seria revolucionária e pioneira nesse tipo de transporte no país onde haveria interligação direta e internamente com o Aeroporto Internacional de Guarulhos administrado pela concessionária GRU Airport não foi cumprida por falta de boa vontade da companhia que administra o aeroporto e a CPTM conjuntamente com o Governo do Estado de São Paulo.

Hoje a linha tem sua estação terminal ao lado do aeroporto e os passageiros precisam utilizar ônibus da GRU Airport para chegarem aos terminais, o que é totalmente desconexo ao projeto original e chega a ser vergonhosa a operação.

Vista que o valor que fora investido, daria muito bem para ter sido feito um projeto muito mais funcional e que realmente defenderia os interesses públicos. Sem contar o imenso atraso na entrega da nova malha ferroviária.

Outro lado que mostra também a falta de planejamento e péssima execução é a intenção da CPTM de levar a Linha 13-Jade até a região central da capital (estações Luz e Brás) por via compartilhada, ou seja, com a Linha 12-Safira, que liga Brás a Calmon Viana, ou seja duas linhas distintas utilizando a mesma via, esta última que já tem seu sistema defasado, além de sobrecarregado.

estação guarulhos cecap

Estação Guarulhos-Cecap vista da passarela de acesso (Foto: Eduardo Silva)

Desde que iniciou a operação comercial da Linha 13-Jade, passageiros que fazem a interligação com a Linha 12-Safira precisam se dispor de paciência para poder embarcar em trens que já chegam lotados desde Calmon Viana.

Ou seja, a demanda é maior que a capacidade de atendimento. Mesmo com estratégias operacionais realizadas pela companhia o sistema não comporta.

Sem contar que o índice de falhas da Linha 12-Safira aumentou exponencialmente após a operação da Linha 13-Jade.

Podem se preparar, via compartilhada significa também falhas compartilhadas, em um efeito cascata que as consequências são imensurável.

Vale lembrar que a Linha 13-Jade, está em uma curva crescente na sua demanda. Será que vai dar certo essa via compartilhada e não irá atrasar ainda mais os trens que já circulam pela Linha 12-Safira a passos de tartaruga?

Será que o sistema vai comportar a demanda? Será que mesmo com avisos sonoros e visuais as pessoas não irão se confundir ao pegar a composição para outro destino que não aquele de interesse primário do passageiro?

Espaço físico para a construção de outra via para interligar até a região central, sabemos que é um pouco complexo conseguir.

Mas será que para vender um serviço que no papel estará em plena harmonia a CPTM se esquece do atual fluxo crescente de passageiros em seu sistema e que provavelmente não comportará?

Pensando em um futuro a médio prazo será que quando a Linha 13-Jade tiver mais estações e mais passageiros essa estratégia vai continuar valendo? Uma coisa que precisa ficar no radar dos dirigentes da companhia e dos passageiros é que pode ser que haja a necessidade de “tirar o doce da criança” para manter o bom fluxograma do sistema.

Vale a pena investir em algo que o sistema tem grandes chances de não comportar? E que poderá inflamar ainda mais a revolta dos passageiros que já estão bem insatisfeitos com o serviço prestado?

Ou isso é apenas um jogo político alimentado por cifrões de interesses particulares e não públicos?

Cabe apenas a nós passageiros aguardarmos para ver o que vai acontecer. Infelizmente estamos entregues a própria sorte.

Mario Musial

Técnico em Radiologia, amante da profissão, em especial Ressonância Magnética.
Siga-me:

Posts relacionados

  1. Tatiana Ferreira says:

    Em primeiro lugar ótimo texto,
    Obrigada!
    Tem muito o que melhorar essa linha 13 jade, com certeza, porque não consigo entender Guarulhos uma cidade tão grande e tão rica TEM AEROPORTO , mais ainda não tem um metrô, o governo demorou muito para fazer algum transporte descente para guarulhos e quando fizerem, fizeram isso!! por favor, parece que fizeram só para calar a boca, está horrível esse transporte em horário de pico, ninguém consegue entrar nessas baldeações, um verdadeiro descaso, agente gasta mais tempo, fazendo essa viagem de trem do que pegando ônibus e passar pela Dutra e Marginal.
    Por favor entrem no site do governo e façam reclamação, precisamos fazer alguma coisa, é um absurdo esse nosso transporte:
    http://www.saopaulo.sp.gov.br/fale-conosco
    Eu já fiz a minha reclamação, façam também, quem sabe um dia eles fazem alguma coisa por nós, e vejam bem em quem votar!
    Se souberem em quais outros órgãos reclamar, deixe o end de email?
    Obrigada pela atenção!

  2. Almir Ventura says:

    Camaradagem meus amigos, isso sim. O governador Geraldo Alckmin fez essa obra por puro interesse político, precisava fortalecer seus laços com as empreiteiras, uma obra grande desta era o caminho. Infelizmente é uma linha com poucas estações, um péssimo planejamento e vou além, não ajuda em nada.

    Ah e antes que eu me esqueça, parabéns pelo artigo, profundo e direto!

  3. Rubens Matias says:

    Elefante branco, puro interesse partidário essa obra ai!

    Pra nós moradores de Guarulhos, é melhor ir até a estação Armênia indo de ônibus, ou então usar o ônibus que deixa no Tatuapé. Essa linha além do intervalo ser alto, quando chega em engenheiro Goulart é um inferno, não há condições de embarque, ai temos que esperar um serviço de trem que vem vazio até a estação, mas não é sempre.

    Quem vem do aeroporto, com malas, passam raivas.

    Então para concluir ainda coloco incompetência neste assunto e parabéns pelo artigo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.