Comemora-se neste 25 de julho, o Dia do Motorista, profissionais estes que dedicam suas vidas e são responsáveis por conduzir passageiros ou cargas através de um trajeto ou destino pré estabelecido.

O motorista além de essencial pode atuar em diversos setores como: Motorista particular, transporte público e até mesmo como piloto de testes de corrida.

Cada tipo de serviço está relacionado a uma categoria e habilitação específica, e para atuar na profissão é necessário ter conhecimento de rotas, leis de trânsito, e normas de segurança; é necessário possuir raciocínio rápido e prudência.

Em certos casos pode acontecer de surgir a necessidade do motorista ser responsável por outros serviços, como, abastecimento, checagem de pneus, preparação, manutenção e inspeção dos seus veículos.

Em comemoração ao Dia do Motorista, o Rede Noticiando traz alguns personagens do transporte público municipal de São Paulo, que dedicam suas vidas e seu tempo para transportar diariamente milhares de pessoas oriundas de suas casas, trabalhos, estudos entre outros.

Conheça alguns personagens e suas histórias:

Ex-fiscal de caixa da rede Walmart

A motorista de ônibus Kathiussia Borges de Queiroz, 34 anos, que dirige na linha 6035-10 Vila Gilda – Santo Amaro, conheceu o amor de sua vida durante uma viagem de ônibus quando ainda trabalhava na linha 6059-10 Jardim Universal – Santo Amaro, no extremo sul de São Paulo.

Durante uma das viagens, com destino ao bairro, o ônibus quebrou na Rua José Barros Magaldi, no Jardim Novo Santo Amaro, foi neste dia que rolou o primeiro contato, afinal os passageiros foram obrigados a descer para pegar o próximo ônibus e as duas conversaram.

Por coincidência na semana seguinte quando a atendente de lanchonete Hayanne Andrade, 23 anos, voltava do trabalho embarcou no ônibus dirigido por Kathiussia. E logo que subiu já brincou com ela. “Oi amiga da perua quebrada”.

Ela respondeu e no mesmo dia a noite por meio das redes sociais intensificaram a aproximação e o primeiro beijo já rolou no dia seguinte no ônibus.

“Estamos apaixonadas. Vivemos um amor intenso. Foi tudo muito rápido e já estamos morando juntas e super felizes”, comemora.

Ela conheceu a passageira durante uma viagem até Santo Amaro.

Formada em Psicologia

Mesmo após se formar em psicologia, por paixão, mulher não larga volante do ônibus.

A baiana Jeane Santos Pereira, 33 anos, é motorista de ônibus da Transwolff há 10 anos na zona sul da capital paulista. Há 5 dirige na linha 6058-10 Jardim Noronha – Terminal Varginha. “Desde criança via o meu pai dirigindo ônibus e achava lindo, maravilhoso a profissão e sonhava: “quero ser motorista de ônibus”.

“Me encantei com o ônibus. Eu gosto muito do que eu faço. Mulher é cuidadosa, dirige bem e é capaz.”

Mesmo aficionada e já exercendo a profissão de motorista, cursou e se formou em Psicologia, mas não quis abandonar o ônibus.

“E olha quem tem mudado a visão das pessoas ao verem a mulher no volante do ônibus. Acho que diminuiu muito o preconceito”, acredita Jeane.

Confira abaixo um vídeo promocional que a empresa Transwolff fez em homenagem ao Dia do Motorista, destacando a história de alguns profissionais do volante que atuam por lá:

Motorista sambista

Formado em Fisioterapia e Tecnologia da Informação, Gato Félix troca volante por cavaquinho no fim de semana.

George Lourenço da Silva, 43 anos, o Gato Félix, é motorista de ônibus há 2 anos. Há 5 meses é motorista da linha 7055-10 Guarujá – Terminal Campo Limpo.

No final de semana ele troca o volante pelo grupo de pagode “Sem Segredo” onde é o tocador oficial do cavaquinho em várias casas de show da zona sul.

Formado em Fisioterapia e Tecnologia da Informação, mesmo com duas faculdades não quis exercer nenhuma das duas funções por conta da paixão pelo ônibus. Ele ainda faz uns frilas de massoterapia.

“O ônibus me ‘desestressa’. É uma das profissões mais importantes. Eu contribuo com a cidade levando os trabalhadores ao seu destino”, se orgulha Gato Félix.

Para seguir passos do pai, jovem abandona Direito após um ano

O motorista de ônibus Felipe Lima Alcântara, o chiclete, 25 anos, que dirige na linha 6062-51 Jardim Castro Alves – Terminal Santo Amaro, cursou durante um ano o curso de Direito na unidade da Unip (Universidade Paulista) da Chácara Santo Antônio, mas ao se deparar com o pai doente que convalescia com um tumor na cabeça em 2014, abandonou a faculdade para seguir os passos do pai, que era motorista da mesma linha.

“Tinha que seguir os passos do meu pai por uma questão de honra. Tinha que continuar o legado que ele deixou”, conta Chiclete.

O pai de Chiclete veio de Umuarama, cidade no noroeste do Paraná, a 580 km da capital Curitiba para a zona sul de São Paulo nos anos 80.

“Adoro dirigir e é um orgulho imenso seguir os passos do meu pai que chegou sem nada aqui e venceu”, lembra.

Casado com a operadora de caixa Audilene Bianca, 26 anos, é pai de Yasmin, 7, e Nicolly, 3. A esposa está gestante de Davi Miguel que deve nascer ainda neste mês.

Ex-metalúrgico

Após 12 anos dentro de um galpão de uma metalúrgica, há cinco meses Daniel Araújo do Nascimento, 31 anos, migrou para o transporte coletivo. Ele trabalha na linha 6052-10 Jardim Sete de Setembro – Terminal Varginha.

“É uma grande satisfação, uma responsabilidade enorme. É uma profissão que transporta vida. As vidas dos passageiros estão nas minhas mãos. É muita responsabilidade”, diz.

“O carinho ao embarcar um cadeirante, um idoso, ao dar um bom dia isso é muito gratificante. O reconhecimento dos passageiros não tem preço. Faço com o coração e com amor.”

Willian, tudo sobre ônibus

Willian Rebouças, popularmente conhecido como Will Papaléguas, tem 10 anos de profissão, sendo 1 ano como cobrador e 9 anos como motorista. Iniciou sua carreira ao volante na antiga CooperPam, onde atuou como motorista de microônibus e posteriormente com ônibus convencional na área 6 da capital paulista.

Em determinado tempo, surgiu a oportunidade de atuar no interior de São Paulo, em Laranjal Paulista e após realizar testes, foi aprovado para atuar na Vicampe Transportes e Turismo, trabalhou em uma linha circular e por lá permaneceu por um ano e meio.

No regresso a São Paulo, Willian conta que passou a trabalhar novamente pela CooperPam e posteriormente ingressou como motorista de fretamento e turismo na Suzantur Transportes onde permaneceu apenas 8 meses até ser contratado pela VIP Transportes Urbanos onde trabalha desde 2012.

motorista de ônibus

Willian Rebouças, o Will Papaléguas, motorista da VIP de Pinedo (Foto: Acervo pessoal)

Motivação: O que motiva o Willian é o reconhecimento do seu trabalho por parte da empresa, passageiros e grandes amigos que fez e o acompanham, principalmente após criar suas mídias sociais em 2015, onde compartilha um pouco do seu cotidiano e também o conhecimento que adquiriu através desses anos.

Trabalhos: O William possui um canal no Youtube e uma página no Facebook, lá você pode conferir um pouco do seu cotidiano, aprender sobre a profissão motorista e interagir com ele, conheça o trabalho de Willian, tudo sobre ônibus.

Agradecimentos

O Rede Noticiando agradece a empresa TransWolff pela enorme parceria e por destacar alguns de seus personagens para que nosso site pudesse contar um pouco de suas histórias e homenagear esses profissionais que são essenciais na vida de muitas pessoas.

Agradecemos ao Willian Rebouças pela parceria e principalmente por nos contar um pouco sobre sua trajetória e todo seu trabalho.

Parabenizamos a todos os motoristas pelo seu dia, responsabilidade, dedicação e amor caminham juntos com esses grandes profissionais.

Igor Roberto

Profissional e estudante de enfermagem, pesquisador, analista financeiro e de mídias sociais. A informação é o meu esporte!
Siga-me:

Posts relacionados

  1. Anderson S Ferreira says:

    Olá meu nome é Anderson S Ferreira, conhecido como “Japonês”, sou condutor de transporte coletivo em São Paulo, eu trabalho na Ambiental transportes, na linha 4113/10 Gentil de Moura / Praça da República
    Meu maior prazer é poder acordar tds os dias e sair para o meu trabalho, eu me sinto realizado, com a minha profissão!
    Faço por amor e carinho, muitas das vezes eu sou os olhos daqueles que não encherga, e as penas daqueles que não andam. E isso ainda não é tudo…
    Gratidão eterna.

    • Igor Roberto says:

      Olá ”Japonês” poxa, que satisfação ler isso!

      É prazeroso quando fazemos algo que gostamos, tenho certeza que é um baita profissional, qualquer dia desses passo na sua linha para tomarmos um café e batermos um papo. Quero conhecer sua história e poder contar ela aqui também.

      Obrigado por nos acompanhar 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.